smartslider3[1]

O pedal da embraiagem não quis colaborar

Eduardo Veiga, com Daniel Amaral no lugar de Navegador, participou no Rali de Sernancelhe/Aguiar da Beira. Uma prova que se realizou na sexta-feira e no sábado passados e que pontuou para a Taça Nacional FPAK de Ralis de Asfalto.

 

 

 

Foi uma prova em que o azar bateu à porta do Ford Escort MkII, na partida para a estrada, na manhã de sábado. Um problema com um tubo rebentado, levou a que o pedal da embraiagem ficasse inoperacional. Veiga viu-se obrigado a partir para as Provas Especiais, com a primeira velocidade engatada depois de desligar o motor. De seguida, dava ao motor de arranque e o propulsor pegava. Foi essa a forma como arrancou em todos os controlos e partidas, tentando chegar ao Parque de Assistência, no final da segunda ronda. Infelizmente o Escort não aguentou e obrigou o piloto de Águeda a desistir, pouco depois de completada a sétima PEC. 

Nessa altura, mesmo face a todas as dificuldades encontradas, estava classificado entre os três mais rápidos, primeiro dos carros de tração a duas rodas. Isto entre os pilotos que pontuavam para a referida Taça. Na geral da prova, era quinto, depois de ter feito o terceiro crono, no troço antes da desistência. Uma excelente classificação que, só o pedal da embraiagem, impediu que se concretizasse.

“Este ano o azar tem-nos pregado algumas partidas, como aconteceu hoje. Ficamos com o pedal da embraiagem a não funcionar, o que nos obrigava a partir sempre com o motor desligado. Engatávamos a primeira velocidade e lá arrancávamos. Mesmo assim conseguimos tempos bem interessantes. Tentámos chegar à assistência depois da sétima Provas Especial, mas não conseguimos”. Referiu Eduardo Veiga, naturalmente bastante desagradado com o azar que aconteceu.

A próxima prova, é nos Açores, dias 11 e 12 de agosto. O Rali de Santa Maria.